sexta, 04 de novembro de 2016 - 14:34h
Governador Waldez prioriza pagamento integral do 13º salário com recursos da repatriação
Parte dos recursos também será usado para sanar dívidas previdenciárias e criar um Fundo de Estabilização da Folha de Pagamento
Por: Elder de Abreu
O Governo do Amapá vai priorizar o pagamento do 13º salário do funcionalismo público com os recursos provenientes da arrecadação sobre a repatriação de capital não declarado no exterior.

A decisão foi confirmada pelo governador Waldez Góes nesta sexta-feira, 4, após reunião com os secretários de Estado do Planejamento, Antônio Teles, e da Fazenda, Josenildo Abrantes. O pagamento será feito de forma integral, assim que forem repassados os recursos pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN).

De acordo com a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), a STN ainda não informou oficialmente os valores e a data do repasse, no entanto, a estimativa é que o Amapá receba acima de R$ 160 milhões ainda no mês de novembro. A Sefaz também confirmou que o repasse ocorrerá juntamente com a transferência constitucional do Fundo de Participação dos Estados (FPE).

Além do 13º salário, o governo também definiu como prioridade destinar parte dos recursos da repatriação para sanar dívidas previdenciárias e criar um Fundo de Estabilização da Folha de Pagamento do Estado. Segundo o secretário Teles, este fundo será composto, ainda, por recursos futuros de royalties de concessões públicas e oriundos de leilões de imóveis do estaduais.

O governador disse que a criação do Fundo de Estabilização da Folha é uma medida para garantir que o pagamento dos servidores públicos do Estado não seja comprometido em razão de um eventual agravamento da crise.

Ação conjunta
Apesar de já ter tido a confirmação que será contemplado com o rateio do Imposto de Renda (IR) sobre a repatriação de capital no estrangeiro, o Amapá e outras 11 unidades federativas não concordam com a divisão de apenas R$ 12,4 bilhões entre estados e municípios.

Ocorre que a União arrecadou R$ 50,9 bilhões cobrando 15% de Imposto de Renda e outros 15% em multas sobre valor repatriado. Contudo, o Governo Federal quer ratear entre os estados e municípios apenas o valor relativo ao IR (R$ 12,4 bi).

Por isto, o Estado do Amapá e mais 11 unidades da Federação ingressaram esta semana com uma ação conjunta no Supremo Tribunal Federal (STF) buscando que o valor arrecadado com as multas também seja dividido. “Se formos vitoriosos nesta ação conjunta, o Amapá e os 16 municípios do Estado serão beneficiados”, complementou o governador Waldez.

Além do Amapá, integram a ação conjunta Alagoas, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Santa Catarina e Roraima.

Agendas
Na próxima terça-feira, 8, o chefe do Executivo amapaense e os outros 11 governadores que reivindicam uma maior fatia do bolo de recursos arrecadado com a repatriação de capital, vão se reunir com a ministra do STF, Carmen Lúcia. Eles tratarão sobre a ação conjunta na suprema corte.

Já na quarta-feira, 9, o governador Waldez Góes vai reunir com os representantes das categorias do funcionalismo estadual para explanar oficialmente detalhes sobre o pagamento do 13º salário e o fundo de estabilização da folha de pagamento, bem como os resultados do encontro com a ministra do STF, Carmem Lúcia.

A Lei de Repatriação
O Governo Federal anunciou esta semana que a Receita Federal arrecadou R$ 50,9 bilhões em impostos e multas com a regularização de ativos do exterior. O valor dos ativos repatriados chegou a R$ 169,940 bilhões.

A lei determina que os ativos no exterior serão regularizados após o pagamento de Imposto de Renda de 15% sobre o saldo e mais 15% de multa. A lei nº 13.254, de 13 de janeiro de 2016, instituiu o Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária (RERCT), que incentiva o envio dos valores, obtidos de forma lícita, de volta ao país. Com isso, os proprietários dos recursos ficaram livres de acusações de crimes como evasão de divisas.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ
Site desenvolvido e hospedado pelo PRODAP - Centro de Gestão da Tecnologia da Informação
2015 - Licença Creative Commons 3.0 International
Amapá